Sonho de criança – Volta ao Mundo


 Volta ao Mundo    1086 visualizações

Que atire a primeira pedra quem nunca fez isso: você pequeno aprendendo sobre o planeta em que vivemos, aquele gigante planeta azul, com umas porções de terra. Vendo que ela é redonda como uma bola e acreditando que, se abrir um buraco no chão você chegará à China, ou pior, se você aqui está de pé então lá eles caíram pra fora da Terra! Então você começa a aprender sobre continentes, países e descobre que há outra milhares de pessoas ao redor dessa grande bola. Que o mundo vai muito além da sua escola e o bairro em que mora. E você imagina como seria viajar por todos esses lugares, às vezes se imaginando em um barco e, em outras, em cima de um cavalo alado.

Se naquela época tudo era possível, o que te fez mudar de ideia e achar que dar uma volta ao mundo é custoso e perigoso?

Resolvi reviver esse sonho de infância, comecei a pesquisar a respeito e dar contorno à forma. Por incrível que pareça viajar ao redor do mundo é mais simples do que pensamos, menos caro do que supomos e muito mais divertido do que toda a diversão que você já teve na infância.

Por 03 meses e meio eu viajei o globo e passei por 14 países. Sim, uma “Volta ao Mundo” nada mais é do que dar a Volta ao Mundo, não quer dizer conhecer todos os países do mundo se fosse assim a viagem chamaria “Conhecer todos os países do mundo!”.

Volta ao mundo em 105 dias por 14 países.

Fui ao famoso Cabo da Boa Esperança, na África do Sul, e revivi minhas aulas de história quando aprendi como os portugueses chegaram à Índia. Passei pelo deserto da Namíbia, semideserto de Botsuana até chegar à savana do Zimbábue e Zâmbia e assim percebi que as aulas de geografia realmente fazem sentido, que o clima muda e as paisagens também.

Raquel Teixeira adicionou foto de  Foto 1

Voei pelo Oceano Índico até chegar em Cingapura. Conheci templos e palácios da civilização antiga da Tailândia. O pica-pau desceu as cataratas em um barril e no Laos vivi a experiência de descer o rio em uma boia. Cheguei ao Vietnã, não lutei conta os vietcongs mas me senti um engenheiro do Hawaii (mesmo não tendo passado por lá).

Descobri que a Conchinchina existiu, apesar de que o correto nome era Indochina e o Camboja fazia parte dela. Conheci as famosas “mulheres girafas” da Birmânia, que agora é Myanmar.

Raquel Teixeira adicionou foto de  Foto 2

Me senti em um filme da sessão da tarde, passeando por Hong Kong e descobrindo que o Bruce Lee é ídolo por lá. Na Coréia do Sul andei de trem bala e percebi que ele para nas estações, não precisaria pular como sempre imaginei com minha fértil mentalidade. Lembrei do episódio do Chaves em que ele foi pra Acapulco mas tenho certeza que ele gostaria também de ter ido em Belize.

E assim, os sonhos de criança se concretizaram e para a imaginação não há fronteiras, assim como para viajar não há barreiras que te impeçam! Levante e reviva a criança que há em você!

Entre no meu canal do youtube para saber mais informações sobre essa viagem e pegar dicas para o seu próximo mochilão:

Se quiser saber mais sobre o que é uma viagem de Volta ao Mundo clica aqui no vídeo

Raquel Teixeira

- - - -

Se você curtiu esse texto, ficaria extremamente feliz se pudesse dar um nele aí embaixo ou compartilhar com seus amigos!

COMENTÁRIOS:

Flaviane Moraes

Flaviane Moraes comentou 1 ano atrás

Que delícia. Eu quero!!! ; )


Fique por dentro das novidades e melhores dicas:




Instagram


SUA VIAGEM COMEÇA AQUI

Dubbi é um novo espaço para pessoas incríveis que amam viajar possam interagir, se ajudar e compartilhar suas histórias e dicas de viagem.

Junte-se a nossa incrível comunidade de +35.000 de viajantes experts do Dubbi.